Máscara Ibérica de regresso a Belém

O Festival Internacional da Máscara Ibérica (FIMI) está de volta ao Jardim da Praça do Império, em Belém (Lisboa), para quatro dias de animação onde não vão faltar caretos, foliões e mascarados, num dos maiores eventos que envolvem esta tradição ancestral.
Na 14.ª edição, que decorre entre 16 e 19 de maio, serão apresentados 42 grupos num total de cerca de 700 participantes.
De acordo com a organização, a “internacionalização é outra das apostas do festival que este ano recebe pela primeira vez a Hungria, com o grupo Busós, e Macau, com os Leões de Macau. Também a Colômbia é outro dos países convidados, que participa pela segunda vez no FIMI, juntando-se assim a outros estreantes. É o caso da Asociación Fieles Jesús Caído del Paso y María Santísima de la Amargura (Málaga, Andaluzia), Banda Gaites Villaviciosa – El Gaitero (Villaviciosa, Astúrias) e Mazcaraos de Rozaes (Villaviciosa, Astúrias).



O Grande Desfile da Máscara Ibérica, um dos momentos mais aguardados do evento, acontece no dia 18, a partir das 16h30, e vai contar com o regresso da Sardenha (Itália) que apresenta pela primeira vez os Urthos e Buttudos, além dos habituais caretos e foliões de Portugal e Espanha.
À semelhança das edições anteriores, o FIMI apresenta ao longo de quatro dias, uma programação intensa com a realização de workshops, exposições, danças tradicionais, debates, espetáculos de música, uma mostra de produtos regionais, ateliês de artesanato e animação de rua.
“Outra das novidades da edição deste ano é a criação de um novo espaço com performances de grupos convidados e animação infantil”, adianta a Progestur.
No Palco Ibérico haverá música popular portuguesa e ritmos folk de raiz tradicional europeia, com os concertos a começarem na sexta-feira, dia 17, a partir das 21 horas, com o grupo português Recanto e os espanhóis Skama la Rede. Sábado é a vez do músico O Gajo e dos Galandum Galundaina e na tarde de domingo, pelas 17 horas, sobem ao palco os Ciranda.
De acrescentar que terá ainda lugar uma mostra de artes performativas da China, em particular a ópera chinesa e o teatro exorcista nuoxi, trazidos pela Fundação Oriente. Recorde-se que o FIMI é organizado pela Progestur, em parceria com a EGEAC, que conta este ano com a Fundação Inatel como uma das entidades organizadoras.

Partilhe este artigo no Facebook