Dança Tradicional da Tailândia no Museu do Oriente

O Museu do Oriente recebe no final do mês de junho, nos dias 28 e 29, o espetáculo de abertura do Festival da Tailândia em Portugal, pela troupe de dança tradicional “Land of Arts”, um coletivo de artistas de palco, jovens e criativos, que apostam na combinação entre a tradição tailandesa e os movimentos da dança moderna e contemporânea.

O resultado é uma apresentação inovadora da cultura de dança tailandesa. Também conhecidos por Gai Keaw Karn Lakorn, os Land of Arts foram fundados por Surat Jongda, atual diretor artístico, no ano de 2004. Atuações dramáticas, figurinos criativos e autenticidade valeram-lhes “elevados reconhecimentos” da sua Tailândia natal. Recorde-se que o Festival da Tailândia em Portugal decorre na zona de Belém, em Lisboa, nas mesmas datas deste espetáculo.



“Paisagens Femininas e Segredos de Boudoir” em exposição
Entretanto, o mesmo museu acolhe entre 27 de junho a 15 de setembro a exposição de pintura chinesa “Paisagens Femininas e Segredos de Boudoir”. Montanhas transformadas em corpos femininos, lingerie misteriosa e sensual e a floresta sob o brilho prateado do luar, são as temáticas desta mostra que inaugura a 27 de junho no espaço daquela fundação.
“A sensualidade da mulher surge aqui numa técnica que tradicionalmente tende a menorizar, quando não mesmo a censurar, a figura feminina” refere a nota enviada à imprensa. A autora Hong Wai usa o pincel chinês como se este fosse “um fio de seda e, como uma habilidosa rendeira, tece padrões rendados, uns atrás dos outros”. Estes fios finos entrelaçam-se dando forma a corpos femininos, montanhas, florestas e lagos.

“Paisagens Femininas, Luar e Segredos de Boudoir” são as três séries apresentadas por Hong Wai nesta exposição. Na série Paisagem Feminina, a paisagem tradicional composta por montanhas e águas, a mais elevada metáfora espiritual e moral da pintura chinesa, é desconstruída pela artista sob a forma de voluptuosos corpos femininos. “As montanhas, outrora vistas como forças energéticas que materializam o dragão, transformam-se agora em corpos femininos ondulantes” e a vegetação na mais sensual lingerie, que também surge retratada na série Segredos de Boudoir, numa “representação algo fantasmagórica, misteriosa e ao mesmo tempo sensual”. Num outro registo, na série Luar a artista cria uma atmosfera calma e poética de uma floresta sob o brilho prateado do luar, que surge através de linhas desenhadas com uma meticulosa paciência e total foco de atenção. A combinação destas linhas, nós e traços tornam as suas obras “elegantes e únicas”.
Hong Wai nasceu em Xangai em 1982, cresceu em Macau e, desde 2005 reside e trabalha em Paris. Debruçou-se, no âmbito dos seus estudos na École des Hautes Études en Sciences Sociales, sobre a forma contemporânea do espírito artístico dos literati chineses. Expôs as suas obras pelo mundo, incluindo na Sotheby´s Gallery, em Hong Kong e no Museu de Arte em Macau, e participado em diversas feiras de arte internacionais como a Art Sage de Singapura e a Art Taipei.

Partilhe este artigo no Facebook