Teatro ‘A Barraca’ estreia “A Torre de Babel”

A companhia de teatro ‘A Barraca’ estreia amanhã, dia 26, a peça “A Torre de Babel”, num espetáculo com texto e encenação de Hélder Mateus da Costa, no Teatro Cinearte, em Lisboa.

O novo trabalho remete-nos para um momento descrito pela Bíblia, quando a humanidade era uniforme após o grande dilúvio, altura em que se falava um único idioma. Após a ida para o Oriente, os homens decidiram construir “uma cidade e uma torre muito alta para alcançar o céu”, mas Deus não terá gostado da ideia e “misturou as suas vozes para que não se pudessem entender”, dispersando os mesmos por todo o mundo.
Surpreendidos e temerosos, os povos acobardaram-se e submeteram-se durante séculos à fúria divina, sem um ai ou um queixume e foi nesse momento que “aconteceu Portugal”. Nesta peça, podemos entender que “invocando Deus, Deuses e implorando milagres, desfraldando bandeiras e brandindo a Cruz e a Espada, unimos o Oriente e o Ocidente”. Ainda assim, as catástrofes continuaram e perante o atual cataclismo, os países “organizaram abrigos para se defenderem e garantiram o futuro”.



De acordo com a aquela companhia de teatro, “decidimos tratar esta tragédia em tom de sátira, linguagem que nos parece apropriada para o desvario humano e civilizacional que atravessamos”. Nesta peça, sucedem-se vários tipos de animação teatral e musical, com o humor a dominar, mas “a comunicação internacional vai desaparecendo e o desespero instala-se”. Nesta “distopia”, o símbolo do “abrigo-salvador” não funciona e termina em implosão.
“A Torre de Babel” estará em cena entre 26 e 29 de junho, às 21h30, bem como no dia 30, às 17 horas. Em julho, o esoetáculo regressa ao Teatro Cinearte entre os dias 11 e 13, e entre 18 e 20 de julho. Dias 14 e 21, a peça acontece pelas 17 horas.
Neste novo trabalho, que conta com as interpretações de Maria do Céu Guerra, Patrícia Frazão, Rita Soares, Sónia Barradas, Teresa Mello Sampayo e Adérito Lopes, “renasce um forte sinal de esperança”. Do elenco ainda fazem parte, para além de estagiários do ESAD, nas Caldas da Rainha, os atores Carlos Sebastião, João Maria Pinto, Samuel Moura e Sérgio Moras. Com música de João Maria Pinto e desenho de luz, vídeo e edição de Paulo Vargues, a peça é para maiores de 12 anos. Foto: Pedro Soares

Partilhe este artigo no Facebook