Mostra de fotografia de Paulina Gedymin em Cascais

“Ad libitum” é o nome da exposição de fotografia de Paulina Gedymin, que inaugura esta sexta-feira no Espaço Capela do Centro Cultural de Cascais, onde estará patente até 29 de setembro.

Nesta mostra, a artista partilha o diário visual que iniciou quando chegou a Lisboa, em 2018, tendo como tema principal os têxteis de uso doméstico, parte “indispensável da paisagem urbana de Lisboa”. Em cada canto dos bairros antigos da cidade, encontram-se cordas de roupa diversa a secar. Estas estruturas de tecido “criam uma ampla variedade de formas invulgares e espontâneas e tornaram-se uma grande inspiração” para Paulina, que decidiu conceber uma adaptação paralela, não documental, ao colocar os seus artefactos favoritos em espaços fora da cidade, num ambiente natural.



O título ‘Ad libitum’, termo latino que significa “a seu bel-prazer” ou “à vontade”, indica a criação espontânea que se manifesta na “escolha de texturas e superfícies improvisadas”. Enquanto fotografava no meio da natureza, a artista deixou que o ambiente a inspirasse. “Há uma ideia prévia, a que se poderá chamar “argumento”, e as experiências desenrolam-se a partir dela. Iniciada a obra, o material improvisado integra-se”, refere a propósito a Fundação D. Luís. “O meio e objetos escolhidos acrescentam o seu diálogo ao projeto, originam a criação espontânea de formas, reflexos, sombras e contrastes captados nas fotografias da artista”, explica.
Com efeito e dando ênfase à exploração e representação, Gedymin intensifica “as perceções da forma ao acrescentar uma imagem em movimento nos seus estampados e tecidos”. “Anima a superfície através da utilização do vídeo em câmara lenta da mesma gravação, propondo um novo léxico de geometrias e formas”, acrescenta a fundação.



Uma das maiores inspirações para o projeto proveio da poeta e escritora escocesa Nan Sheperd, admirada pela artista. A observação de movimentos ad-lib e a conceção dos respetivos ruídos em bruto levaram Gedymin a convidar a compositora polaca Maja Olenderek para colaborar nesta exposição. Recorrendo à técnica de síntese granular, Olenderek “arquitetou uma colagem de sons que incorpora e completa o núcleo visual do projeto”.
Paulina Gedymin nasceu em San Diego, nos Estados Unidos, em 1987 e foi educada em Varsóvia, na Polónia, tendo em 2013 obtido o grau de mestre na Academia de Belas Artes de Wroclaw. Trabalha com fotografia, vídeo e vídeo arte.

Partilhe este artigo no Facebook